Música

Hadsel – Beirut – Crítica

Compartilhe:

Zach Condon, o artista por trás do projeto indie lo-fi Beirute, passou por uma experiência traumática que quase encerrou sua carreira musical. Em 2019, ele teve problemas de garganta que o impediram de continuar a turnê da banda e o levaram a se afastar dos holofotes. 

Durante esse período, ele viajou para lugares isolados na Alemanha e na Noruega, onde pôde refletir sobre sua vida, sua arte e seu futuro. Foi nesse contexto que ele criou Hadsel, o primeiro álbum do Beirut desde 2019 e talvez o mais significativo de sua discografia. 

O álbum é uma expressão da dor e da superação que Condon enfrentou, mas também da confiança e da criatividade que ele recuperou. Com 12 faixas impressionantes que combinam uma atmosfera suave com tons quentes e melodias elevadas, Condon nos convida a compartilhar sua jornada emocional e musical em um LP de retorno memorável.

O álbum se inicia com a faixa que lhe dá nome, uma celebração sonora do espírito humano que evoca a sensação de alcançar o topo de uma montanha. Logo somos apresentados às harmonias densas de Condon, que se destacam como um elemento-chave de sua performance vocal em Hadsel. Ele usa diferentes camadas de voz para criar um efeito envolvente e cativante, como se estivéssemos redescobrindo Condon pela primeira vez.

 Ele explora todo o seu alcance vocal, desde o barítono mais grave até o falsete mais agudo, adicionando mais cores e nuances à obra-prima que é o último trabalho de Beirute. Em faixas como “Stokmarknes”, suas palavras ganham destaque sobre os backing vocals constantes, que o cercam como uma névoa espessa. Essa performance vocal especializada faz com que um solo de órgão como “Melbu” pareça ainda mais especial, uma pausa breve no ataque de cantos sinceros. “Island Life” é uma viagem rápida aos trópicos tempestuosos, enquanto faixas como “18 de janeiro” trazem uma bateria marcante filtrada por um arranjo vibrante. Apesar das variações de ritmo, Hadsel nunca perde a coerência, um verdadeiro testemunho da importância da jornada de Condon e do seu talento como compositor.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo