Música

Seven Psalms – Paul Simon – Crítica

Compartilhe:

“Seven Psalms” é diferente de qualquer outro álbum do Simon em muitas maneiras de listar. No nível mais básico, até que ponto o cantor e compositor quer que você o experimente como um álbum conceitual é enfatizado pelo fato de que suas sete canções distintas – mais duas reprises não faturadas – estão sendo lançadas digitalmente como uma faixa longa.

 

 Desculpe, sem embaralhar, crianças. (Prince tentou aquela jogada de álbum como faixa única, uma vez, com “Lovesexy”, mas mesmo esse álbum foi dividido em audições individuais na era do streaming. E, ei, o salmista original, o bíblico David, divida seu álbum em singles?)

 

“Seven Psalms” é igualmente marcante em sua montagem musical, embora ninguém vá acusar essa complicada audição de ter excessivos vermes. A grande maioria da instrumentação consiste no próprio Simon dedilhando violão ou outros instrumentos de cordas, com rajadas intermitentes de percussão exótica ou glockenspiel ou gaita baixo que mantêm as coisas um pouco tensas e bonitas. Ele está tão próximo do microfone que você pode ouvir cada movimento de seu braço contra a guitarra, como se sua cabeça estivesse sentada em seu colo ao lado do instrumento. Às vezes, os acordes parecem mais clássicos ou de natureza jazzística do que pop ou mesmo folk, embora “My Professional Opinion” seja basicamente um número de blues disfarçado. O fã hardcore reconhecerá tudo isso como uma partida bem-vinda,

De alguma forma, isso parece improvável. “Seven Psalms” parece um resumo, algo que Simon se sentiu compelido a fazer depois de dizer a si mesmo que havia terminado de fazer novos álbuns (seu último registro de novo material foi lançado em 2016). Poucos artistas têm a chance de fazer conscientemente um álbum final; os principais exemplos frequentemente citados são “Blackstar” de David Bowie e “You Want It Darker” de Leonard Cohen. (Há dúvidas razoáveis ​​sobre se Bowie realmente estava pensando em “Blackstar” como seu canto do cisne ou não, mas sua lenda como uma última vontade e testamento deliberado viverá, independentemente.)

Seven Psalms entra em foco suave e lentamente, com a figura circular do violão acústico de Paul Simon repetindo como uma bênção. A religião certamente está na mente de Simon em Seven Psalms, uma coleção de sete canções que o cantor/compositor hesita em chamar de álbum; ele está tão empenhado em ouvir as músicas como um conjunto interconectado que não indexou os segmentos individuais no CD ou nas encarnações digitais. Embora as faixas sejam distintas em melodia e até sensação, todas elas fluem juntas, criando a impressão de uma única entidade. De certa forma, cada peça de Seven Psalms é um tributário da fonte principal, ou seja, uma série de sessões de escrita que Simon realizou depois de acordar de um sonho na calada da noite. Apesar dessa origem, Sete Salmos não segue a lógica dos sonhos. Simon esculpiu esses pensamentos subconscientes em declarações de fé enganosamente gentis, canções que são tão silenciosas que pode ser fácil ignorar sua força inerente. 

É uma jogada estranha, mas compreensível: ninguém vai se esforçar muito para colocar uma faixa de um álbum mergulhando em The End of All Things no rádio, mesmo no formato alternativo adulto, e o álbum realmente se beneficia de ser entendido como um todo. Aos 33 minutos, quase conta como um EP para os padrões modernos, mas parece mais com três horas. Isso foi feito da maneira mais positiva possível, dada a quantidade de carne que Simon dá aos ouvintes para mastigar em um jantar de um único prato.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo