Música

The Soft Struggles – David Brewis – Crítica

Compartilhe:

The Soft Struggles está a um passo do indie-pop-prog amigável do Field Music. Não é um passo muito grande embora. Este álbum tira o chapéu para o álbum de 2018 da banda, Open Here , na medida em que Sarah Hayes, que tocou uma flauta estelar naquele álbum, faz um truque de mágica semelhante aqui. 

 

Sua execução lírica envolve bem alguns estilos de folk jazz do início dos anos 70 do resto do conjunto. Ela é particularmente eficaz em “Tomorrow”, o que pode fazer os ouvintes de uma certa idade pensarem em Pentangle. 

A única desvantagem de ter um catálogo anterior bastante impecável é que as pessoas começam a procurar a coroa para escorregar. Ou uma brecha na armadura. Ou uma colaboração equivocada. Bem, neste caso, os pessimistas terão que continuar procurando. 

As Lutas SuavesDavid Brewis é mais conhecido por ser uma das forças criativas por trás do Field Music , o sempre progressivo e inventivo quarteto de Sunderland que ele lidera com seu irmão Peter. Desde 2005, eles lançaram oito álbuns de música angular baseada na guitarra que se dobra, se estende e se desenrola de maneiras refrescantes e envolventes. 

Se você é um aficionado da produção inicial do selo Island Records, este é o seu caminho. Você quase pode imaginar Joe Boyd à espreita no fundo da sala enquanto Richard Thompson acena com a cabeça em aprovação. Tudo se passa de uma forma muito descontraída e agradável, sendo que apenas o single “The Last Day” chega mesmo a ser estridente. Isso não quer dizer que The Soft Struggles seja fraco – há alguma instrumentação forte e proposital em jogo – desde a abertura jazzística conduzida pelo piano “Can We Put it in the Diary?” para o final vagamente napolitano “The King of Growing Up”, todos no disco estão jogando no topo de seu jogo. Há uma sensação maravilhosa ao vivo nas gravações que dá a toda a coleção uma sensação rica e orgânica. Música tocada por seres humanos. Isso nunca vai pegar.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo