Literatura

Counterfeit – Kirstin Chen – Resenha

Compartilhe:

Ava Wong, advogada asiática-americana, tem as aparências de uma vida perfeita. Claro que não tem trabalhado desde que teve seu filho, Henri, agora com dois anos. Seu marido Oli é um renomado cirurgião de transplantes e tudo deve ser cor-de-rosa. Então, por que ela se sente tão plana? Bem, Oli passa muito tempo no trabalho ou viajando de e para ele e Henri é uma criança muito difícil que chora em todas as oportunidades. Na verdade, Ava estaria completamente perdida sem sua babá, Maria.

Então, um dia, sua colega de quarto na faculdade, Winnie Fang, aparece do nada. Winnie é colorida e exuberante e parece estar indo muito bem para si mesma. Ela logo confia seu ousado dinheiro fazendo arranjos para Ava – porque é claro que ela quer recrutar Ava. E estupidamente Ava é sugada. No começo é “só desta vez”, mas uma vez que Winnie tem seus ganchos em você, é muito difícil escapar. Logo os dois estão administrando um grande negócio de flagelação de bolsas de grife falsificadas. Pessoalmente, não entendo, não entendo por que alguém gastaria milhares de dólares em uma bolsa!

A caracterização é muito boa com Ava e Winnie sendo giz e queijo. O retrato de Ava é especialmente forte, ela não está feliz em sua vida atual e joga pelo seguro até que não o faça. Winnie é inteligente, esperta e duplamente bem-sucedida. O enredo bem pensado embala muito em seus curtos comprimentos (cerca de três horas de tempo de leitura) com segredos, várias mentiras sobre mentiras, alguns choques, corrupção e chantagem. É muito fácil de ler, sombriamente engraçado e que você pode considerar como uma leitura de praia divertida. Mas, inevitavelmente, as coisas não saem de acordo com o planejado e grande parte da narrativa é Ava contando sua história à polícia – voluntariamente em um esforço para evitar a prisão. Você logo se acostuma com a falta de aspas.

Entra Winnie Fang, a enigmática colega de quarto de Ava na China continental, que desistiu abruptamente em circunstâncias misteriosas. Agora, vinte anos depois, Winnie está tentando se reconectar com seu velho amigo. Mas a garota tímida e desajeitada que Ava conheceu foi substituída por uma mulher confiante do mundo, cheia de artigos de luxo, incluindo um cobiçado Birkin em laranja clássico. O segredo do sucesso dela? Winnie desenvolveu um engenhoso esquema de falsificação que envolve a importação de réplicas quase exatas de bolsas de luxo e agora ela precisa de alguém com passaporte americano para ajudar a administrar seus negócios – alguém que nunca seria suspeito de irregularidades, alguém como Ava. Mas quando seu sucesso espetacular é ameaçado e Winnie desaparece mais uma vez, Ava é deixada para enfrentar as consequências.

Rápido, surpreendente e agudamente cômico,A falsificação é uma alcaparra elegante e feminista com um ponto de vista forte e um machado para moer. Espiando por trás das cortinas das vitrines de grifes de luxo e das fábricas chinesas onde são produzidos bens de luxo, Kirstin Chen questiona o mito da minoria modelo através de duas mulheres inesquecíveis determinadas a exigir mais da vida.

Infelizmente este livro não foi tão para mim. Achei os personagens bem unidimensionais e sem nuances. Eles também eram principalmente antipáticos. O personagem mais legal era a babá. O enredo era bem tênue – enganar os ricos para desembolsar muito dinheiro em bolsas falsificadas, era isso! E embora possa ter sido engraçado em alguns lugares, faltou qualquer tipo de humor para mim. Também não fez nada para dissipar quaisquer estereótipos negativos sobre os asiáticos.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo