Literatura

The Alice Network – Kate Quinn – Resenha

Compartilhe:

Kate Quinn tem uma propensão para escrever romances históricos de natureza geralmente mais complexa, e ela reforçou ainda mais essa noção quando publicou The Alice Network . Levando-nos através de duas histórias que acontecem em 1915 e 1947, respectivamente, testemunhamos tanto uma rede de inteligência britânica operando no noroeste da França ocupada pela Alemanha, quanto a busca de uma jovem americana por suas raízes no país agredido.

O século 20 certamente não vai ficar para trás o suficiente em nosso espelho retrovisor coletivo para ser esquecido tão cedo, seus eventos ainda servindo como peças centrais para inúmeras obras de ficção. Principalmente, as duas guerras mundiais alimentaram a imaginação de inúmeros autores, todos eles buscando explorar diferentes lados e aspectos dos dois conflitos. Acho que é seguro dizer que Kate Quinn pertence a esse grupo de autores, com seu romance The Alice Network contando duas histórias conectadas por guerra, perda e história.

A primeira história apresentada pelo romance nos leva a 1915, com a Primeira Guerra Mundial chegando a todo vapor. Partes da França caíram para o inimigo invasor, mas o país ainda resiste com todas as suas forças. Aqui nós conhecemos Eve Gardiner, uma jovem com uma paixão ardente por lutar contra os invasores e uma chance de realizá-la ao se juntar à infame rede de espionagem administrada pela verdadeira figura histórica, Louise de Bettignies (também conhecida como “Alice Dubois”) . Trabalhando como colaboradora francesa, Eve se disfarça de garçonete em um restaurante em Lille, servindo soldados alemães e passando informações para seus manipuladores britânicos.

A segunda história nos leva trinta e dois anos para 1947, com Evelyn Gardiner agora envelhecendo e mais ou menos caindo em um tipo de vida normal, quase triste, colorido em grande parte pela traição que levou ao fim da rede de espionagem que ela deu a vida. Conhecemos Charlotte St Clair, uma garota americana de dezenove anos que vem para a Suíça com sua mãe para um aborto seguro. Ela acaba conhecendo Evelyn e seu motorista, Finn, e todos partem em uma jornada em busca de algo pessoal em uma França ainda devastada pela Segunda Guerra Mundial. Uma missão pela verdade está diante deles, e todos têm a intenção de segui-la, não importa aonde ela os leve.

Embora a narrativa alterne entre as duas histórias de um capítulo para o outro, ainda acho que faz mais sentido examiná-las individualmente e o que elas têm a oferecer por conta própria. Assim, vamos começar com eles em ordem cronológica, começando com o que é essencialmente um thriller de espionagem ambientado nas partes ocupadas da França em 1915. A mudança de cenário dos romances de espionagem típicos da Segunda Guerra Mundial já é uma mudança de ritmo bem-vinda e, na minha opinião, esta é a narrativa onde The Alice Network em cores voadoras.

Kate Quinn obviamente fez um trabalho fantástico ao pesquisar o funcionamento interno da rede de espionagem e obviamente se esforçou muito para dar vida aos personagens, especialmente aqueles que retratam figuras históricas reais. Aprendemos um pouco sobre como essas mulheres viviam sem nunca serem sugadas muito fundo em fatos secos ou complexidades desnecessárias; Quinn lembra que isso é, antes de tudo, um romance, o que significa que deve ser divertido.

Temos uma visão aprofundada de como poderia ter sido levar uma vida como agente duplo naqueles dias e, em geral, a descrição do autor da França ocupada não deixou nada a desejar na minha opinião. Ela capturou muito bem as atmosferas conflitantes de desesperança e valentia em face da derrota, e os vários personagens secundários foram retratados com uma verdadeira profundidade para eles.

Se alguma coisa, a escrita do autor serviu para destacar o lado humano da guerra , como abaixo de cada lutador e soldado é um cara ou garota normal ansiando por uma vida simples sem morte e carnificina. Em suma, essa narrativa foi o grande destaque da The Alice Network para mim.

A segunda história, que se passa trinta anos no futuro, foi, na minha opinião, o lado mais fraco da equação, mas acabou tendo seu propósito, ao qual chegarei daqui a pouco. Nossa principal protagonista deste segmento, a americana grávida de dezenove anos Charlotte não é exatamente tão envolvente quanto nossas espiãs da Primeira Guerra Mundial. Pelo contrário, ela parece estar um pouco fora do tempo e do lugar, lembrando mais uma adolescente moderna do que qualquer outra coisa. Eu me arriscaria a dizer que ela se sente mais como um veículo do que como um personagem real, com suas ações sendo bastante previsíveis e às vezes irreais para a época.

O mistério em torno de sua jornada pela França, o destino não resolvido de sua prima durante a Primeira Guerra Mundial, também parece um empurrãozinho e algo que fica visível em algum lugar ao fundo. Além disso, o pedaço de homem escocês parecia adicionar pouco ou nenhum valor à história, e ainda assim ele permaneceu conosco durante toda a coisa. A história fica mais interessante quando Charlotte cruza o caminho de Eve, mas neste momento a última parece que foi reduzida a uma casca de seu antigo eu, e a emoção da narrativa da Primeira Guerra Mundial não deve ser recapturada.

Agora, eu disse que acho que toda essa abordagem tem um propósito anterior, e o que acredito que o autor tentou fazer foi dar uma janela moderna para um público moderno entender os eventos do passado. Com a rapidez com que o tempo e a informação viajam hoje em dia, a cada década nos tornamos muito mais distantes dos eventos do passado do que em qualquer outra época da história humana.

Acredito sinceramente que o autor achou necessário adicionar esse elemento moderno à história para ajudar os jovens leitores de hoje a acompanhar as apostas e os eventos que acontecem. Embora pessoalmente não possa dizer que tenha feito muito por mim, admito que não posso falar da perspectiva de leitores mais jovens e pode ser um elemento mais atraente para eles do que para mim.

The Alice Network, de Kate Quinn, me deu uma sensação um pouco confusa, oferecendo uma narrativa que era perfeita em todos os sentidos da palavra, e uma segunda que parecia mais nos reinos da média, embora eu possa não ter sido o público-alvo perfeito para isso. No geral, eu diria que se você gosta de thrillers de espionagem da Primeira e Segunda Guerra Mundial e jornadas para descobrir segredos e mistérios do passado, recomendo que você dê uma chance justa a este livro, pois ele tem muito a oferecer.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo