Filmes

Constantine (2005) – Crítica

Compartilhe:

 Constantine é um filme de 2005 dirigido por Francis Lawrence, uma adaptação para o cinema do personagem da DC Comics John Constantine, protagonista da revista Hellblazer. O filme é estrelado por Keanu Reeves e Rachel Weisz.

Apesar do título da revista na qual Constantine é baseada ser Hellblazer, este título foi descartado pelos produtores devido a sua semelhança com Hellraiser (1987). Alan Moore inicialmente queria que a HQ se chamasse Hellraiser, por conta do nome pertencer a série de filmes, mas o deixou como Hellblazer.

Embora nos dias atuais, o filme seja considerado um filme Cult, ter se tornado um filme marcante para a carreira de Keanu Reeves, e obter boas resenhas do público, o filme foi considerado uma decepção financeira em sua carreira teatral. O filme recebeu críticas mistas, onde foram elogiadas as atuações de Reeves, Weisz e os efeitos visuais, porém, seu roteiro foi recebido de forma negativa. Houve uma outra polêmica, pelo fato de o Anjo Gabriel ter sido interpretado por uma mulher, embora a atuação de Tilda Swinton tenha sido elogiada.

 

O solitário Constantine tenta garantir seu lugar no paraíso enviando demônios de volta ao inferno, mas seu destino está ligado ao de Angela, uma policial que investiga o suposto suicídio de sua irmã gêmea.

Criado por Alan Moore, na revista Swamp Thing, em 1985, John Constantine ganhou seus quadrinhos solo, Hellblazer, em 1988, também pelo selo Vertigo da DC Comics. Em 2005, o diretor Francis Lawrence, que anos após trabalharia no ótimo Jogos Vorazes: Em Chamas, tomou rédeas do projeto de adaptação desses quadrinhos. Constantine e não Hellblazer o filme passou a se chamar, já denotando um possível distanciamento do material original. De fato, o filme, em geral, não é conhecido por ser uma adaptação de quadrinhos, não só pela maior obscuridade da Vertigo, como pela sua linguagem completamente diferente do que vimos nas obras da Marvel ou DC.

Constantine (Keanu Reeves) é uma espécie de exorcista/ caçador de demônios, que preza pelo equilíbrio entre Céu e Inferno na Terra. Sua tarefa é enviar de volta as criaturas que perturbam essa balança, seja através do exorcismo ou de velhos truques envolvendo armas com água benta e crucifixos. A narrativa já nos coloca em um ponto de ruptura do personagem: ele está à beira da morte graças ao seu vício pelo cigarro (que o filme deixa claro desde os primeiros planos). Em meio a tal problema o filho do Diabo busca ganhar passagem para o nosso plano através de uma médium Angela Dodson (Rachel Weisz).

A história foi baseada no arco Hábitos Perigosos dos quadrinhos(#41-46), mas o longa-metragem progride de maneira bastante orgânica, não requisitando do espectador um conhecimento prévio da obra original. Os personagens são inseridos de forma natural, mas sem soar extremamente didática, característica que se mantém ao longo da projeção. O protagonista é um claro exemplo do strong-silent type, um homem taciturno e antipático que prefere se manter alienado das outras pessoas. Reeves consegue transmitir essa ideia sem dificuldade, mas acaba pecando pelo exagero: sua interpretação beira a caricatura, soando extremamente irreal. Trata-se de uma figura que não consegue nos atrair e o que deveria ser uma constante e aparente apatia se transforma em um personagem devoto de emoção, impedindo qualquer identificação com o espectador.

Rachel Weisz, por sua vez, nos entrega uma mulher forte, ainda que em posição de vítima. Conseguimos, nela, observar um convite ao público, um elemento que, enfim, consegue tornar essa narrativa crível. Além disso, é através dela que nos inserimos nesse universo de conflito entre anjos e demônios e o diretor Francis Lawrence a utiliza para construir suas explicações – como dito anteriormente, nada soa didático e a personagem Angela é central para a obtenção dessa característica. A relação entre esses dois indivíduos acaba oscilando entre o desconforto e a proximidade, mas, dificilmente, consegue nos fazer acreditar nela – mais uma vez voltamos à não-atuação de Keanu e a ausência de uma mão mais firme na direção.

Diante dessa evidente quebra de imersão, temos alguns pontos que conseguem nos prender à projeção. O primeiro deles é o sólido trabalho da arte tanto nas ambientações quanto na retratação de cada um dos personagens. Embora tenhamos um uso constante (e algumas vezes excessivo) da computação gráfica, tanto o “mundo real” quanto o Inferno se encaixam perfeitamente no tom da obra, especialmente levando em consideração as tonalidades amarelo-esverdeadas da fotografia. Temos a sensação de uma evidente decadência que muito bem resume o conceito de tanto o Céu quanto o Inferno estarem presentes na Terra. Somado a isso, temos a precisa contratação de Tilda Swinton, que nos entrega um Gabriel, no conceito de androginia dos anjos, que conseguimos acreditar. Infelizmente o cuidado não se estende para o roteiro, que faz mal uso da personagem, gerando um desfecho que soa apressado, finalizando com um plano final politicamente correto que soa nada menos que ridículo.

O filme tem cenas de ação convincentes e ótimos efeitos especiais, principalmente na concepção do universo paralelo ao nosso conhecido como inferno, com o fogo incessante queimando tudo, cidades destruídas, ventos fortes e demônios espalhados para todos os lados. A caracterização de Lúcifer interpretado pelo excelente ator Peter Stormare também é um ponto positivo, numa performance digna de registro, assim como o mesmo aconteceu com Tilda Swinton, que fez o papel do anjo Gabriel.

É inegável que filmes que tratam destes assuntos sobrenaturais e ocultos chamem muito a atenção do público. Constantine conta com seus inúmeros deslizes, que vão de atuações, passando por direção e terminando em um singelo exagero do CGI, ainda assim trata-se de uma obra que diverte o espectador que sabe o que esperar. Pode não ser a adaptação mais fiel dos quadrinhos, mas conta com elementos positivos o suficiente para nos manter presos à narrativa. Por mais que Reeves desaponte no papel principal, o elenco de apoio mais do que dá conta do recado, trazendo uma instigante mistura de ação, noir e terror. Entre anjos e demônios, todo o ocultismo e mensagens subliminares presentes no filme só demonstra que seus autores e diretores sabiam em qual terreno estavam pisando.

Não, “Constantine” não faz parte de uma trilogia que inclui ” Tróia ” e ” Alexandre “. Não é sobre o imperador, mas sobre um homem que pode ver o mundo atrás do mundo e está travando uma guerra contra os necrófagos dos condenados. Houve um bom documentário sobre pinguins-imperadores, no entanto, no Festival de Sundance deste ano. Os machos ficam sobre os ovos durante todo o inverno em cerca de 60 graus abaixo de zero.

John Constantine foi ao inferno e voltou. Nascido com um dom que não queria, a capacidade de reconhecer os anjos e demônios mestiços que andam pela Terra em camuflagem humana, Constantino ( Keanu Reeves ) foi levado a tirar a própria vida para escapar da clareza atormentadora de sua visão. Mas ele falhou. Ressuscitado contra sua vontade, ele se viu lançado de volta à terra dos vivos. Agora, marcado como uma tentativa de suicídio com um arrendamento temporário da vida, ele patrulha a fronteira terrestre entre o céu e o inferno, esperando em vão ganhar o seu caminho para a salvação travando uma guerra contra os asseclas terrestres do mal.

Mas Constantino não é santo. Cada vez mais desiludido com o mundo ao seu redor e em desacordo com o mundo lá fora, ele é um herói amargo de vida dura que despreza a própria ideia de heroísmo. Constantino lutará para salvar sua alma, mas ele não deseja sua admiração ou agradecimento – e certamente não deseja sua simpatia. Tudo o que ele quer é uma saída.

Quando um detetive de polícia desesperado, mas cético ( Rachel Weisz como Angela Dodson) pede sua ajuda para resolver a misteriosa morte de sua amada irmã gêmea, sua investigação os leva através do mundo de demônios e anjos que existe logo abaixo da paisagem da Los Angeles contemporânea. Pego em uma série catastrófica de eventos sobrenaturais, os dois tornam-se inextricavelmente envolvidos e procuram encontrar sua própria paz a qualquer custo.

Keanu Reeves interpreta Constantine como um caçador de demônios deprimido e fumante inveterado que vive acima de uma pista de boliche em Los Angeles. Desde criança ele pôde ver que nem todos os que caminham entre nós são humanos. Alguns são pinguins. Desculpe por isso. Alguns são meio-anjos e meio-demônios. Constantino sabe que está condenado ao inferno porque uma vez tentou se matar e está tentando formar armações suficientes contra os demônios para ganhar seu caminho para o céu.

Há uma cena no início do filme em que Constantino e seu médico olham suas radiografias, o que nunca é um bom sinal em um filme de super-heróis. Ele tem câncer de pulmão. O anjo Gabriel ( Tilda Swinton ) diz a ele: “Você vai morrer jovem porque fumou 30 cigarros por dia desde os 13 anos”. Gabriel fez anúncios mais interessantes. Constantine já passou algum tempo no inferno, que parece uma Los Angeles pós-nuclear criada por animadores com uma ressaca. Sem dúvida, está cheio de substâncias cancerígenas.

Eempregado pelo céu, mas condenado ao inferno , o herói do thriller teológico Constantino parece mais inconstante do que constante em relação ao seu destino final. Seu propósito na Terra de exorcizar demônios permanece fixo até que uma doença terminal eventualmente reivindique sua vida e sele seu destino. Mas talvez. Apenas talvez, haja esperança para ele e para a humanidade.

John Constantine ( Keanu Reeves ) nasceu com o dom de ver o mundo espiritual. Oprimido em tenra idade, ele tirou sua própria vida e viu o inferno , mas foi milagrosamente poupado e autorizado a viver. Agora fadado ao inferno por causa deste pecado, ele trabalha, a contragosto, expulsando demônios e lutando contra o mal no mundo espiritual.

Após uma apresentação indiferente a um policial chamado Angela ( Rachel Weisz ), John decide ajudá-la a investigar o suposto suicídio de sua irmã gêmea e abrir seus olhos para a batalha espiritual que está ocorrendo ao redor deles. Quando um presente espiritual de Angela ressurge, ela se torna um peão do diabo , e John deve decidir se e como ele a salvará.

Este filme está repleto de emoções e sustos e inclui algumas imagens assustadoras. Uma cena no início mostra uma mulher possuída tendo um demônio exorcizado dela. Outras cenas envolvem rajadas de demônios voando ao redor dos personagens principais, bem como alguns momentos em que eles visitam o inferno. As imagens são assustadoras, mas também nos dão uma nova visualização de coisas que realmente existem. Existem também algumas outras imagens violentas envolvendo alguém sendo atropelado por um carro e mais de um personagem morrendo. Existem alguns palavrões, incluindo o uso do nome de Deus em vão – alguns dos quais às vezes parecem um jogo de palavras.

A premissa do filme é baseada em algumas idéias bíblicas definidas, como céu e inferno , anjos e demônios , mas também exagera algumas idéias bíblicas e as torna mais fantásticas. Um exemplo é a referência a I Coríntios 17 , um capítulo que realmente não existe, mas aqui dizem que foi “recuperado”. A outra é a ideia de que o diabo vai fazer um filho entrar no mundo com uma arma que supostamente foi usada para matar o Filho de Deus. Ainda assim, a história tem alguma base bíblica e pode desafiar alguém a pensar sobre o bem contra o mal, Deus e o diabo, suicídio, arrependimento e sacrifício.

Os meio-anjos e meio-demônios são procuradores terrestres na guerra entre Deus e Satanás. Você pensaria que Deus seria o Patriota da Nova Inglaterra desta competição, mas aparentemente há uma chance de Satanás ganhar. A missão solitária de Constantino é rastrear meio-demônios e jogá-los de volta nas fogueiras abaixo. Como Blade, o assassino de vampiros, ele é surpreendentemente otimista, considerando que ele é um cara em uma cidade lidando caso a caso, e o inimigo é global.

Constantine tem um consultor técnico chamado Beeman ( Max Baker ), que mora no teto da pista de boliche entre as máquinas de apontar alfinetes e funciona como Q nos filmes de James Bond. Aqui está ele carregando Constantino com o armamento mais recente: “Lascas de bala da tentativa de assassinato do Papa, água benta do rio Jordão e, você vai adorar isso, escaravelhos”. Os besouros vêm em uma pequena caixa de fósforos. “Para os caídos”, explica Max, “o som é como pregos em um quadro-negro.” Mais tarde, há uma cena em que Constantino é inundado pelas criaturas do inferno e tenta desesperadamente alcançar a caixa de fósforos e fazer aqueles besouros começarem a  guinchar.

Rachel Weisz interpreta Angela Dodson, uma detetive da polícia de LA cuja irmã gêmea, Isabel, aparentemente cometeu suicídio. Isabel relatou ter visto demônios, então Ângela consulta Constantino, que acena sabiamente e se pergunta se Isabel saltou ou foi metafisicamente empurrada. Mais tarde no filme, para mostrar a Ângela que ela também tem o dom de ver o mundo por trás do mundo, Constantino a mantém embaixo da água em uma banheira até que ela desmaie e veja os tormentos do inferno. Nada de corredores brancos brilhantes e velhos amigos e Yanni para ela. Você se pergunta que tipo de policial de Los Angeles se permitiria ser experimentalmente afogada em uma banheira por um cara que mora em uma pista de boliche.

Juntos, eles vagam pelas ruas noturnas. A certa altura, Constantino precisa consultar Midnite ( Djimon Hounsou ), um ex-feiticeiro que dirige uma boate privada onde meio-anjos e meio-demônios podem ficar meio carregados e falar sobre o assunto. Existe um porteiro. Para ser admitido, você precisa ler sua mente e dizer-lhe o que está do outro lado do cartão que ele está segurando. “Duas rãs em um banco”, diz Constantine. Pode ter sido um palpite de sorte.

Há um padre no filme, o alcoólatra Padre Hennessy ( Pruitt Taylor Vince), cujo nome, eu acho, é colocação de produto. Estranho que haja um padre, já que isso abre a porta para o catolicismo e, portanto, para as notícias de que Constantino não está condenado a menos que ele faça uma guerra vitalícia contra os demônios, mas precise apenas se confessar; três pais-nossos, três ave-marias, e ele está fora de lá. Estranho que filmes sobre Satanás sempre exijam católicos. Você nunca vê seus presbiterianos ou episcopais lançando demônios.

As forças do inferno se manifestam de muitas maneiras. Uma vítima é comida por moscas. Uma jovem está possuída por um demônio, e Constantino grita: “Preciso de um espelho! Agora! Pelo menos um metro de altura!” Ele pode capturar o demônio no espelho e jogá-lo pela janela, veja, embora você se pergunte por que seres sobrenaturais teriam tais falhas de segurança de baixa tecnologia.

Reeves tem um nível de energia deliberadamente taciturno no filme, como convém a alguém que viu o inferno, anda entre meio-demônios e está morrendo. Ele continua fumando. Eventualmente, ele confronta Satanás ( Peter Stormare ), que usa um terno branco. (Satanás para costurar: “Eu quero um terno igual ao de Deus.”) Ah, e a trama também envolve a Lança do Destino, que é a lança que matou Cristo, e que está desaparecida desde a Segunda Guerra Mundial, que parece se abrir uma janela para a possibilidade de vilões nazistas, mas não.

Este filme não irá satisfazer todas as suas questões teológicas , mas certamente pode provocá-lo a talvez examinar mais de perto questões espirituais significativas. Nem sempre são fáceis de mencionar e falar sobre eles, mas este filme é uma maneira divertida de fazer você pensar sobre eles e talvez começar a discuti-los.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo