Entretenimento

Fãs de Grey’s Anatomy ainda não superaram o final de temporada

Compartilhe:

Com a marca de 20 temporadas e a perspectiva da chegada da 21ª, Grey’s Anatomy permanece como o drama médico mais longevo da ABC, e sua trajetória não dá sinais de desaceleração. 

Há mais de 18 anos, os fãs foram cativados pelo mundo de Grey’s Anatomy, embarcando nessa jornada ao lado de Meredith e dos poucos estagiários selecionados. Desde então, o fandom foi submetido a uma montanha-russa emocional, repleta de mortes de personagens marcantes, tramas intensas e desfechos de partir o coração.

A série tem um histórico com pelo menos um ou dois personagens favoritos dos fãs sendo mortos ou deixando a temporada. No entanto, há um final que o programa não conseguiu superar, mesmo na sua 20ª temporada. Este final pertence à famosa “era mágica” de Grey’s Anatomy, quando o show estava no auge e cada enredo era um turbilhão de choque e trauma.

Invasão do hospital em Grey’s Anatomy

Grey’s Anatomy Season 6 Finale é o episódio mais bem avaliado da série

Na sexta temporada, o público já estava acostumado a ver seus personagens favoritos enfrentarem situações extremas, como sendo baleados, atropelados por ônibus, afogados e até mesmo enfrentando câncer. 

O enredo de luta pela sobrevivência que culminou no final da sexta temporada foi simplesmente avassalador. Os fãs experimentaram uma ansiedade e estresse em um nível totalmente novo quando o Santuário teve início. 

É seguro dizer que esse tipo de enredo foi inesperado, surgiu do nada e impactou o público de forma intensa. A frustração, a dor, o medo e a intriga induzidos por este final de Grey’s Anatomy podem ter sido algo que o programa não conseguiu reproduzir novamente. 

Não foi apenas o final que se destacou; toda a temporada foi espetacularmente construída, criando uma sensação de que tudo estava se encaminhando para aquele momento específico. Cada personagem da sexta temporada de Grey’s Anatomy passou por um desenvolvimento significativo, desde o Dr. Webber lidando com o alcoolismo até Derek chegando a um entendimento sobre seu papel como Chefe. Os escritores não deixaram passar uma única cena sem proporcionar um crescimento ou desenvolvimento significativo para os personagens.

A beleza deste final de Grey’s Anatomy reside na intensidade que se acumula diretamente do monólogo de Meredith no Episódio 23. O público imediatamente percebe que algo sinistro ou trágico está prestes a se desdobrar, e esse é o tipo de gancho que nenhum outro final neste drama médico possui. 

Enquanto a cena do elevador com George trouxe lágrimas aos olhos dos espectadores, ouvir Meredith falar sobre amar Seattle Grace no passado é muito mais assustador e preocupante. Meredith usa a palavra “santuário” para descrever seu porto seguro, o hospital onde ela cresceu. 

Antes de brincar com bonecas, Meredith estava nos corredores das salas de cirurgia e passava tempo no necrotério. Ela considera Seattle Grace seu “lugar”, onde se sentia confortável, mas tudo isso estava prestes a mudar. Uma pessoa que assumiu o papel de Deus devido à sua incapacidade de lidar com o luto estava prestes a transformar a vida de inúmeras pessoas no “santuário” de Meredith em um pesadelo vivo.

O final em duas partes começa com Meredith descobrindo sua gravidez e ponderando sobre para quem contar primeiro. Enquanto isso, no hospital, parece ser mais um dia comum, com todos ocupados realizando suas tarefas.

No meio do caos habitual de Seattle Grace, um rosto familiar surge no pronto-socorro, procurando pelo escritório do então Chefe de Cirurgia, Derek Shepherd. Esse rosto pertence a Gary Clark, marido de uma paciente falecida devido a complicações cirúrgicas relacionadas ao câncer. 

Apesar de sua esposa ter assinado diretrizes avançadas anos antes de sua morte, Gary não conseguiu lidar com a perda e processou o hospital por retirar sua esposa do suporte de vida. Incapaz de obter a “justiça” que acreditava merecer, Gary tomou o assunto em suas próprias mãos e organizou um tiroteio em massa no hospital como forma de vingança.

Cena de Grey’s Anatomy

Santuário/Morte e todos os seus amigos tocam em tópicos sensíveis

Os tiroteios em massa sempre evidenciam o lado mais sombrio da humanidade e são uma das experiências mais traumatizantes que assombram as pessoas. 

Grey’s Anatomy sempre se destacou por abordar habilmente diversas questões sociais urgentes por meio de seus personagens e enredos. O final da sexta temporada em duas partes é um testemunho da profundidade dessa realidade assustadora: que os seres humanos podem perder a capacidade de confiar uns nos outros, mesmo em um lugar dedicado a salvar vidas.

Gary Clark entrou no Seattle Grace Hospital sem levantar suspeitas, pois parecia ser alguém que precisava de ajuda. Ele percorreu os corredores aparentando ser um paciente ou alguém em luto, até que sua fachada caiu quando ele se irritou. 

Enquanto procurava pelo escritório de Derek, Gary encontrou cirurgiões ocupados, incluindo Alex e Reed. Essa interação desencadeou suas memórias de impotência ao ver sua esposa sendo retirada do suporte de vida pelos mesmos cirurgiões que agora o ignoravam ou o tratavam com desdém.

A Dra. Reed foi a gota d’água quando o confrontou, dizendo que estava ocupada demais para ele. Em questão de segundos, Gary atirou em sua cabeça e começou a atacar os cirurgiões presentes. Ele então mirou em Alex, Vivian e Charles, e quase atingiu Bailey, mas parou quando ela afirmou, temendo ser enfermeira e não cirurgiã. 

A Dra. Bailey foi particularmente notável nesta situação estressante, seu rosto pálido e expressões de temor retratando o terror que inúmeras vítimas sentem na presença de alguém segurando um gatilho. Santuário e Morte e todos os Seus Amigos não fogem da extrema crueldade dessas situações, pois essa é a única maneira de o público realmente compreender as emoções avassaladoras daqueles que vivenciam tais tragédias.

O drama médico teve muitos momentos e episódios estressantes

Os episódios finais da 6ª temporada tiveram o melhor enredo

O final da sexta temporada de Grey’s Anatomy foi verdadeiramente excepcional em termos de enredo. O renomado drama médico teve muitos momentos e episódios estressantes, mas nada tão emocionalmente impactante quanto este. 

É por isso que, mesmo após 20 temporadas, Santuário e Morte e todos os Seus Amigos permanecem no topo da lista dos episódios mais bem avaliados de Grey’s Anatomy. Apesar das apostas estarem frequentemente altas, este arco narrativo teve um impacto particularmente profundo.

Os fãs foram levados à beira de seus assentos durante dois episódios inteiros, preocupados que poderiam estar vendo o último suspiro de seus personagens favoritos. Não foi apenas um teste de nervos para o público, mas também foi um momento decisivo para vários personagens. 

Era possível que qualquer personagem sucumbisse ao medo por suas próprias vidas e cometesse atos impensáveis. Assim como Bailey teve que engolir seu orgulho e admitir que era enfermeira em vez de cirurgiã para salvar a si mesma, qualquer médico, desde Cristina até Lexie, poderia ter sucumbido à pressão e tomado decisões extremas.

Cristina poderia facilmente ter se afastado da cirurgia de Derek, mas sua lealdade a Meredith era inabalável; ela teria preferido morrer a trair ou deixar Meredith sozinha naquela situação. Essa decisão reforçou a superioridade e o valor de sua personagem, e o público aplaudiu sua bravura. 

Além disso, o final destacou a profundidade do amor entre Meredith e Derek. Quando Derek estava na mesa de operação com uma arma apontada para sua cabeça, Meredith se ofereceu em troca de Gary. Ela propôs essa troca devido ao desejo de Gary de infligir dor a Richard, Derek e Lexie, e Meredith era parente de todos eles.

Assim, ela se tornou o prêmio de consolação perfeito, demonstrando o quanto Derek significava para ela. Ao mesmo tempo, esse ato de entrega também parecia refletir outra das tentativas de Meredith de se sacrificar, como quando ela se afogou. Isso destacou sua contínua falta de valor pela própria vida e seu problema subjacente com a autopreservação.

É verdadeiramente uma mistura agridoce de perda e ganho no final da sexta temporada. Muitos personagens perderam a vida, enquanto outros escaparam por pouco; no entanto, todos encontraram alguma forma de iluminação.

Meredith sofreu a perda de seu bebê, mas recuperou Derek; o incidente do tiroteio também melhorou o relacionamento tenso entre Owen e Cristina, e Callie e Arizona conseguiram se reconciliar no final. Richard Webber redescobriu seu propósito como o “observador” do hospital, mas essas foram apenas as vitórias externas.

Apesar de o final não se aprofundar muito nisso, o público entendeu que tal evento traumático não seria facilmente superado pelos personagens. O impacto emocional de uma tragédia tão terrível seria esmagador para qualquer um lidar. Uma das razões pelas quais os fãs ainda não superaram o final da sexta temporada é devido ao custo emocional que ele carrega. O simples pensamento de um ser humano decidir tirar a vida de outro é incompreensível e gera uma sensação de desamparo que pode minar a esperança de qualquer pessoa.

Grey’s Anatomy está disponível no Star+.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo