A história real por trás da série da Netflix

Compartilhe:

A Netflix lançou uma nova série baseada em fatos. Vamos conhecer a história real por trás de O Sequestro do Voo 601.

A trama gira em torno do sequestro real do avião HK-1274, em 30 de maio de 1973. Pertencente a uma empresa colombiana, a Sociedad Aeronáutica de Medellín (ou SAM), a aeronave decolou de Bogotá e fez sua segunda parada em Pereira, onde dois misteriosos sequestradores embarcaram no avião.

A série da Netflix é baseada nos trabalhos do pesquisador Massimo Di Ricco, que escreveu um livro e co-produziu um programa de rádio que gira em torno do mesmo incidente.

Grande parte da narrativa usada na série da Netflix provavelmente é baseada no trabalho de pesquisa de Massimo.

Vamos conhecer essa história na íntegra. Confira, abaixo.

O Sequestro do Voo 601 está na Netflix

A história real de O Sequestro do Voo 601

Os dois terroristas armados, posteriormente identificados pela polícia como Eusebio Borja (27 anos) e Francisco Solano López (31 anos), pegaram os passageiros de surpresa e intimidaram a tripulação a seguir seus comandos.

No momento do sequestro, havia cerca de 84 passageiros a bordo. Com tantas vidas inocentes em jogo, o Capitão Jorge Lucena não teve outra opção senão cumprir o as ordens dos bandidos.

O sequestrador mais alto, que parecia ser o líder do grupo, entrou na cabine e forçou os pilotos a dirigirem o avião em direção a Aruba, uma ilha no Caribe. Cerca de duas horas depois, assim que o avião chegou ao aeroporto em Aruba, os sequestradores finalmente revelaram suas exigências.

Segundo relatos, Borja e López queriam US$ 200.000 em dinheiro e a libertação de de prisioneiros políticos (50 prisioneiros, de acordo com o programa da Netflix) detidos em Socorro, Colômbia.

Suas demandas políticas deram um novo ângulo a todo o fiasco, pois fizeram parecer que toda a operação foi conduzida pelo Exército de Libertação Nacional, ou ELN, um grupo guerrilheiro urbano que operava na Colômbia naquela época.

No entanto, nada disso era verdade. Na realidade, os sequestradores fizeram a demanda política apenas para enganar as autoridades.

Os contínuos distúrbios políticos na América Latina deram aos criminosos uma desculpa perfeita para esconder suas verdadeiras identidades da mídia e das autoridades. Borja e López também afirmaram estar carregando explosivos e não hesitariam em explodir todo o avião se suas demandas não fossem atendidas. No entanto, posteriormente foi revelado que nenhuma das armas era real.

Tudo era um truque para fazer seu ato parecer real. Alguns relatos até sugerem que eles usaram munição de festim nas armas falsas para aterrorizar os reféns.

Enquanto tudo corria conforme o planejado, os líderes políticos do governo colombiano se recusaram a negociar com os terroristas. A razão sendo que nas décadas de 1960 e 1970 houve um aumento acentuado nos sequestros de aviões, e ceder às demandas de um significaria dar aos outros os meios para chantagear o governo sempre que quisessem.

Os revolucionários, por outro lado, tinham sua própria agenda. Eles sequestraram o avião por duas razões principais. Eles queriam roubar dos capitalistas e pessoas ricas e devolver o dinheiro do resgate aos seus compatriotas. Em segundo lugar, a falta de segurança na aviação tornava mais fácil sequestrar um avião do que roubar um banco.

No final, o governo se retirou e deixou o destino dos passageiros nas mãos dos negociadores da companhia aérea SAM. O advogado da empresa, Ignacio Mustafá, finalmente interveio e tentou negociar com os criminosos. Ele ofereceu a eles cerca de 20 mil dólares para liberar os passageiros. Evidentemente, os sequestradores não aceitaram a oferta.

Algumas horas depois, a notícia do sequestro chegou aos noticiários locais na Colômbia, e os sequestradores liberaram cerca de 40 passageiros, na maioria mulheres e crianças, para obterem uma boa imagem na mídia. Eles queriam enviar uma mensagem de que não pretendiam fazer mal aos passageiros e que os libertariam se as autoridades atendessem às suas exigências.

Vale também mencionar que tanto Borja quanto López eram estrategistas brilhantes. Eles mantiveram o avião em movimento de um local para outro para que as forças especiais não tivessem tempo suficiente para planejar uma operação de resgate. Após pousar em vários locais diferentes, o avião finalmente retornou a Aruba pela terceira vez, onde as autoridades de Aruba, em contato com os membros da tripulação, concordaram finalmente em pagar a eles US$ 50.000 através da companhia aérea. Após um pouco de hesitação, os sequestradores finalmente aceitaram.

A troca foi feita durante a mudança de tripulação, e assim que Borja e López colocaram as mãos em seu dinheiro, instruíram o novo capitão, Hugo Molina, a levar o avião a vários outros locais, onde liberaram todos os passageiros restantes em dois lotes diferentes.

Cerca de 55 horas após o sequestro, apenas a tripulação de voo restava a bordo, e eles estavam compreensivelmente aterrorizados com as possibilidades negativas. Foi quando os sequestradores pediram ao capitão que levasse o avião para Buenos Aires.

Descobriu-se que os criminosos não tinham intenção de derramar sangue desnecessário. Eles apenas queriam ficar com seu dinheiro e escapar sem se meterem em encrenca. Eles instruíram o capitão a desligar todas as comunicações enquanto finalmente revelavam seu plano final, que era desaparecer na escuridão da noite.

Segundo relatos, o avião pousou em dois locais antes de chegar a Buenos Aires. Um dos sequestradores desembarcou do voo em Resistencia, enquanto outro fez sua fuga em Assunção. Assim que o avião chegou a Buenos Aires, não havia sinal dos sequestradores.

Para surpresa de todos, o capitão e a tripulação afirmaram ter feito um “acordo de cavalheiros” com os sequestradores em troca da segurança e proteção da tripulação. Os sequestradores queriam levar as aeromoças como reféns, mas o Capitão Molina não queria arriscar suas vidas e, portanto, prometeu não informar as autoridades sobre seu desaparecimento no rádio antes de tocarem em Buenos Aires. O acordo deu a Borja e López tempo suficiente para escapar e desaparecer da face da Terra.

Assim que o avião finalmente chegou em segurança, as autoridades iniciaram uma intensa caçada para capturar os culpados. Vale ressaltar: na vida real, ninguém havia visto seus rostos, já que Borja e López usavam máscaras prateadas o tempo todo. No entanto, sua breve, mas familiar interação com o famoso ciclista Luis Reátegui (um dos passageiros) os entregou.

Os investigadores estavam certos de que os sequestradores pertenciam à fraternidade esportiva, dando-lhes uma pista concreta no caso. Os infames sequestradores que embarcaram no voo em Pereira pertenciam a uma pequena comunidade de imigrantes do Paraguai. Esses dois atletas haviam migrado para Pereira, na Colômbia, para jogar futebol pelos melhores clubes, mas a sorte não favoreceu seu talento.

Borja e López decidiram sequestrar um avião para conseguir dinheiro para um pequeno negócio, e tudo correu conforme planejado até que um deles foi capturado pelas autoridades. Em Assunção, as autoridades finalmente prenderam López, que, no momento de sua prisão, estava escondido em um local alugado perto da casa de sua família. Dois anos após sua prisão, López foi finalmente levado para a Colômbia do Paraguai, onde foi condenado a cinco anos de prisão. Após sua libertação, López manteve um perfil baixo.

Segundo rumores, ele provavelmente morreu durante um assalto a banco fracassado em Buenos Aires. Borja, por outro lado, permanece foragido. Havia inúmeros rumores sobre sua aparição em uma ilha colombiana, mas ninguém conseguiu capturá-lo ainda. Não seria errado sugerir que, onde quer que Borja esteja, ele estaria assistindo à série da Netflix e se parabenizando por realizar um dos sequestros mais longos da história da América Latina.

O Sequestro do Voo 601 está disponível na Netflix.

Compartilhe:

Deixe um comentário



© 2024 Intrometendo | Web Stories | Privacidade | Google News | APP (Android)) |