Música

Sorry I Haven’t Called – Vagabon – Crítica

Compartilhe:

 Os relacionamentos são difíceis. Eles podem ser cheios de incertezas, inseguranças e até mesmo dor.



O terceiro álbum da cantora Laetitia Tamko, conhecida como Vagabon, explora esses temas de uma forma honesta e comovente.



O álbum, intitulado “Desculpe, não liguei”, é uma mudança de direção para Vagabon. Seus dois primeiros álbuns, “Infinite Worlds” (2017) e “Vagabon” (2019), eram de rock indie. Mas “Desculpe, não liguei” é um álbum de pop etéreo e com influências house.

Essa mudança de gênero é influenciada por dois eventos importantes na vida de Tamko. Em 2021, ela perdeu um dos seus melhores amigos. E em 2022, ela começou a namorar Rostam Batmanglij, ex-membro do Vampire Weekend e produtor de HAIM.

A morte do amigo de Tamko a fez repensar sua vida e suas prioridades. Ela percebeu que queria se concentrar mais nos relacionamentos e na autodescoberta. E a parceria com Rostam a ajudou a encontrar um novo som que refletisse essa mudança.

O álbum abre com a faixa “Can I Talk My Shit?”, que aborda a questão de quando é o momento certo para morar com um parceiro. Em seguida, “Carpenter” é uma música sobre se comprometer com um novo amor. E “You Know How” é sobre como levar uma amizade para o próximo nível.

O álbum também explora temas de perda e autodescoberta. “Autobahn” é sobre ficar acordado a noite toda com amigos, bebendo, dançando e conversando. “Do Your Worst” é sobre amizades tóxicas. E “Nothing To Lose” é sobre se questionar e se desafiar.

“Desculpe, não liguei” é um álbum que vai tocar as pessoas que já experimentaram as alegrias e as dores dos relacionamentos. É um álbum sobre se encontrar e se perder, e sobre a beleza da imperfeição.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo