Literatura

Youngblood – Sasha Laurens – Resenha

Compartilhe:

Este é o cenário adolescente de True Blood em um internato vampírico elitista. Inscreva-me! Os personagens coadjuvantes eram o nível apropriado de “vadio” e divertido e eles sendo protegidos permitem que você acredite que algumas de suas ações são genuínas, não apenas “garota malvada”. Eu realmente amei Kat como nosso ponto de vista principal com Taylor sendo nosso outro ponto de vista. Eu só não gostava tanto de Taylor porque ela parecia teimosa propositalmente, enquanto Kat se sentia genuína em suas ações. A escola de Harcote foi bem imaginada e detalhada. Gostei das descrições e dos “tetos titulados” do quarto das meninas.

Kat Finn e sua mãe mal conseguem sobreviver entre os humanos. Como todos os vampiros, eles devem beber Hema, um substituto de sangue sintético caro, para sobreviver, já que quase toda a humanidade foi infectada por um vírus que é fatal para os vampiros. Kat não está ansiosa para uma vida imortal de mal sobreviver, mas quando ela descobre que foi aceita na Escola Harcote, uma escola preparatória de prestígio que é secretamente só para vampiros, ela sabe que sua sorte está prestes a mudar.

Tudo parecia tão pensado e feito para “sugar você” para o mundo. O enredo de Hema e CFaD é o mais robusto eticamente e o romance faz um bom trabalho ao conciliar grandes temas com o público-alvo sendo adolescentes. Acho que Laurens nunca tratou seus leitores como burros demais para entender os conceitos éticos, mas mesmo que fossem ela tem uma aula que os alunos frequentam é uma aula de ética para debater os temas do livro. Isso foi tão divertido! O romance está no seu melhor quando não está se levando a sério, mas anda na linha.

Taylor tem uma atitude demoníaca e é a única vampira abertamente queer na escola. E ela está apaixonada por Kat desde que se lembra. Uma conspiração secreta afetando todos os vampiros pode ser o que os une, mas a necessidade de Kat de pertencer e ter sucesso a qualquer custo pode separá-los.

O mundo criado para os vampiros na história é ótimo. De certa forma, lembra o Trueblood, existe um substituto sintético do sangue conhecido como Hema, desenvolvido para salvar vampiros depois que um vírus que os mata se espalhou desenfreadamente entre os humanos e foi carregado em seu sangue. Tematicamente, este livro trata das divisões de classe, da ganância das empresas farmacêuticas, da ética médica e dos privilégios. Ele tem muitas peças que poderiam ter feito um home run, mas está atolado em um meio chato e uma resolução muito rápida no final. E o romance é TÃO lento, você não tem tempo para respirar. Eu queria mais desejo e construção em ambas as extremidades, o que realmente melhoraria isso.

Taylor Sanger cresceu no mundo dos vampiros ricos, mas ela está cansada de seus valores retrógrados e conservadores – especialmente quando se trata de sexualidade, já que ela é uma lésbica orgulhosa. Ela só tem que sofrer por mais dois anos de Harcote antes de ser livre. Mas quando ela descobre que sua nova colega de quarto é Kat Finn, ela fica horrorizada. Porque ela e Kat costumavam ser melhores amigas, há muito tempo, e não terminou bem.

Quando Taylor se depara com o cadáver de um vampiro, e Kat faz uma descoberta chocante nos arquivos da escola, os dois percebem que existem segredos profundos em Harcote – segredos que os ligam às figuras mais poderosas do Vampirdom e ao sangue sintético que eles todos confiam. Dito isso, eu ainda acho que muitas pessoas vão gostar disso e eu quero que seja bom porque nós poderíamos usar mais livros de vampiros queer! Observe um aviso de conteúdo para consumo não consensual de sangue, experimentação médica e controle mental de humanos. Recebi uma cópia antecipada deste livro para revisão via NetGalley, todas as opiniões são minhas.

O mediocore, mas não ruim: As garotas malvadas de Evangaline e Lucy eram interessantes e mais elaboradas do que os personagens coadjuvantes comuns. Evangaline tem um bom arco sobre como usar Taylor para descobrir sua sexualidade e como no final ela percebe o quão errada ela foi ao usar uma pessoa para fazer isso e se torna uma pessoa melhor. Lucy não consegue o mesmo fechamento, mas fornece uma boa parte dos dilemas éticos com os quais Kat deve lutar na primeira metade do romance.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo