Literatura

Joan: A Novel of Joan of Arc – Katherine J. Chen – Resenha

Compartilhe:

Aos treze, ela começa a ter visões, mas este livro tem uma abordagem diferente de Joan sem essas visões, sendo religiosa em seus próprios termos. Esta reimaginação certamente traz uma nova abordagem na apresentação dessa heroína. A França está atolada em uma guerra perdida contra a Inglaterra. Seu povo está morrendo de fome. Seu rei está escondido. Deste caos emerge uma adolescente que vai virar a maré da batalha e levar os franceses à vitória, um herói improvável cujo nome ecoará através dos séculos.

Nas mãos de Katherine J. Chen, o mito e a lenda de Joana d’Arc se transformam em uma jovem de carne e osso: imprudente, obstinada e brilhante. Este romance profundamente pesquisado é uma narrativa abrangente de sua vida, desde uma infância repleta de alegria e violência até sua ascensão meteórica à fama à frente do exército francês, onde ela navega tanto pelos perigos do campo de batalha quanto pela política igualmente traiçoeira de a corte real. Muitos são ameaçados por uma mulher que lidera, e Joan atrai ira e suspeita de todos os cantos, mesmo quando seu primeiro gosto de fama e glória a deixa vulnerável à sua própria ambição poderosa.

Com personagens inesquecivelmente vívidos, cenários de transporte e narrativa repleta de ação, Joan é um épico emocionante, um triunfo da ficção histórica, bem como uma celebração feminista de uma mulher notável – e notavelmente real – que deixou uma marca indelével na história.

Ela vai até o castelo de um lorde próximo e encontra trabalho na cozinha de lá. Ela aprende a atirar flechas. Sua força e habilidades chegam aos ouvidos do Delfim, rei sem coroa da França. Ele manda buscá-la. Ela diz a ele que ela pode lutar por ele. Isso ela faz, liderando seus exércitos em uma série de vitórias, começando com a tomada de Orleans dos ingleses. Este livro concentra-se no lado secular de Joana. Ela não foi santificada até 500 anos após sua morte.

Uma citação para os amantes de gatos: “O gato dá a ela uma piscada felina lenta; seus olhos verde-acinzentados parecem lacrimejantes, ou talvez seja apenas um truque da luz. Mas ela prefere acreditar que os animais também são capazes de sofrer, de memória e, portanto, de recordar dias melhores.

A escrita é vívida com cenas descritivas, que por sua vez fazem o enredo se mover lentamente. Muitas pessoas apreciam esse estilo de escrita e se você conhece a história de Joan e gostaria de ler mais uma releitura, em vez de recontar, então essa pode ser uma boa seleção. A escrita é certamente bonita, às vezes lírica.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo