Literatura

Blackout – Erin Flanagan – Resenha

Compartilhe:

Eu escolhi isso como minha seleção gratuita do mês através do Kindle Unlimited. Isso é descrito como um “suspense”. Deveria ter sido categorizado como “Ficção científica política”. O enredo começou bem, mas rapidamente me fez revirar os olhos. Uma mãe que promete se conectar com sua filha continua a ignorá-la, um personagem é apresentado e o “punch-line” é tão fácil de adivinhar que não houve “emoção” em tudo.

Neste thriller psicológico inesquecível, a escuridão é um mistério aterrorizante para uma mulher no limite. Sete meses duramente conquistados em sua sobriedade, a professora de sociologia Maris Heilman tem seu primeiro apagão. Ela acredita que está exausta, mas teme que o marido e a filha suspeitem que ela está bebendo novamente. Seja qual for a causa, as falhas começam a se tornar mais frequentes. Às vezes minutos, às vezes mais, mas sempre deixando Maris com a mesma pergunta desorientadora: Onde eu estive?

 

Isso foi muito ruim. A escrita em si estava ok. Era legível naquele meio do caminho que os thrillers podem ser. A protagonista, Maris, é professora júnior de sociologia em uma universidade do Centro-Oeste e mora com o marido e a filha de um relacionamento anterior. Após um incidente meses antes, ela parou de beber. Mas as pessoas próximas a ela não acreditam que ela tenha desistido.

Então, Maris está tentando ser titular. Ela é supostamente uma feminista que tem seguidores decentes nas redes sociais porque escreve artigos sobre privilégios masculinos brancos e sobre um caso de estupro local em que o estuprador cumpriu apenas 4 meses. E então os apagões começam.

Sem estragar, é a história mais exagerada que li em muito tempo. Não é baseado na realidade ou na ciência. E o feminismo de Maris parece estranho e inautêntico. É o feminismo feminino mais branco de todos os tempos; é tão ruim que parece uma paródia. A história era estúpida. O ritmo ficou instável na metade do caminho. E a resolução foi um insulto para as pessoas que conseguem assistir a tudo.

Então, outro apagão leva Maris ao pronto-socorro, onde ela faz uma descoberta alarmante. Uma rede de mulheres está lutando contra a mesma doença inexplicável. É uma coincidência bizarra ou algo mais sinistro? O que todas as mulheres têm em comum além da falta de tempo? Ou é quem eles têm em comum?

Em uma busca desesperada por respostas, Maris não tem ideia do que está por vir – apenas a paranóia crescente de que suas memórias podem estar além de seu controle e que tudo o que ela sabe pode desaparecer em um piscar de olhos.  Junte personagens rasos com a plataforma política óbvia do autor e ataques masculinos e eu fico desejando ter minhas 5 horas de volta, mas agradecido por não ter desperdiçado dinheiro também.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo