Literatura

Just Like Mother – Anne Heltzel – Resenha

Compartilhe:

A última vez que Maeve viu sua prima foi na noite em que escapou do culto em que foram criadas. Nas últimas duas décadas, Maeve trabalhou duro para construir uma vida normal na cidade de Nova York, onde ela mantém tudo — e todos — a uma distância segura.

Quando Andrea reaparece de repente, Maeve recupera o único amigo verdadeiro que ela já teve. Logo ela passa mais tempo na remota propriedade de Andrea em Catskills do que em seu próprio apartamento apertado. Maeve nem se importa que os amigos de trabalho ricos de sua prima desaprovem claramente seu estilo de vida de solteira. Afinal, Andrea fez sua fortuna na indústria da fertilidade – a febre do bebê vem com o território. Bem, o que posso dizer? Eu sempre gosto de temas assustadores e assustadores! Eu estava realmente certo em julgar o livro pela capa assustadora: especialmente a abertura chocante: duas garotinhas que também são primas fogem para a floresta para jogar um jogo e uma delas enlouquece, agindo como se fosse a Bloody Mary.

Maeve deixa sua prima Andrea para trás, sendo punida por uma de suas mães de culto, encontrando-se presa em um armário. Ela ouve gritos de um animal ferido dentro da casa. Mas infelizmente este não é um animal real. Sua prima Andrea volta da floresta para acalmá-la do outro lado da porta enquanto os gritos ficam mais altos. Esta uma das aberturas de livro mais bizarras me fez largar meu ereader e engolir minha bebida inteira para recuperar meus sentidos! Avançamos para nos encontrarmos com as versões adultas das meninas. Entendemos que eles se separaram. Maeve com trinta e poucos anos, construindo uma vida na Big Apple, tendo vida social limitada, sem amizades íntimas, sem relacionamento de longa data em vez do padrão sem compromisso que ela tem com um barman, trabalhando como editora.

Ela continua procurando por sua prima Andrea, que perdeu quando eram crianças. Como resultado final ela se aplica a um site de busca de DNA. Milagrosamente alguém responde seu e-mail: sim, essa é a prima dela: Uau! Ela se tornou uma mulher de negócios muito rica e bem-sucedida. CEO de uma startup com contribuições inovadoras para o mercado de estilo de vida chamado NewLife. Desde que escapou do culto em que cresceu, Maeve construiu uma fortaleza de muros ao seu redor. Uma das únicas pessoas que ela deixa se aproximar marginalmente é seu namorado casual. A vida tranquila de Maeve é ​​interrompida quando sua prima Andrea, que cresceu no mesmo culto, entra em contato com ela. Maeve descobre que Andrea fez uma carreira de sucesso na indústria de estilo de vida e tecnologia.

Entram em contato e tentam pegar de onde deixaram as coisas. Andrea é casada com seu amado marido Rob. Ela ainda sofre com a perda do filho. Após a reunião, Andrea convida Maeve para sua mansão Catskills (sim, você só pode chamar este lugar de mansão isolada e enorme). Maeve aceita este convite sem pensar mais. É melhor comemorar o fim de semana de aniversário dela sozinha em seu apartamento apertado. E ela é apresentada à última produção da empresa de Andrea: a boneca Olivia: que ajuda as famílias grávidas e enlutadas a se conectarem com um bebê. Andrea diz a ela que este produto combina bem com o negócio de coaching de vida. Maeve acha isso bizarro, mas ela guarda para si mesma. Enquanto ela começa a passar tempo com seu primo e seu círculo íntimo, ela lentamente se afasta de seu estilo de vida normal. Mas estar perto dela desencadeia as memórias sobre seu passado sombrio no culto e ela percebe que é um peão de um jogo muito perigoso. É melhor ela correr para se salvar, mas ela conseguiria fazer isso?

Bem: este livro é de tirar o fôlego, uma sessão de leitura! O ritmo e a execução da história são maravilhosos e o final é de cair o queixo! É escuro, é tenso, se você gosta de ficar com medo e empurrar suas cordas vocais para mais gritos, esta é uma ótima opção para você! Quanto mais Maeve mergulha no mundo de Andrea, mais desconectada ela se sente de sua vida na cidade; e o crescente apego dos primos desencadeia memórias que Maeve lutou muito para enterrar. Mas enfrentar os terrores de sua infância pode ser a única maneira de Maeve transcender o pesadelo que ainda está por vir.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo