Literatura

The Girl from Berlin – Ronald H. Balson – Resenha

Compartilhe:

Ronald H. Balson deu início a uma das séries literárias mais peculiares e interessantes com seus livros de Liam Taggart e Catherine Lockhart, e no quinto intitulado The Girl from Berlin, mais uma vez acompanhamos nossos dois heróis que vêm em auxílio de um velho amigo para resolver uma disputa de terras na Toscana. Mal eles esperavam, a batalha entre a velha e a corporação pelos direitos de uma vila os envia para a estrada da memória da primeira até a Berlim de 1918.

A história da corporação do mal tentando comprar os proprietários e expulsando-os de suas casas é tão antiga quanto as próprias corporações. Decorrente principalmente do nosso medo do que pode acontecer em uma sociedade ultracapitalista, essas histórias têm uma maneira estranha de ressoar conosco, e eu me arriscaria a dizer que esse é o arquétipo moderno de Davi versus Golias.

Enquanto a maioria dos autores abordaria esse cenário com intenções óbvias em mente, há aqueles que encontraram uma maneira de dar ao que é agora uma velha fábula uma nuance maior… autores como Ronald H. Balson em seu último Liam Taggart e Catherine Lockhart livro intitulado The Girl from Berlin. A história começa com um velho amigo chamando nossos dois protagonistas para ajudar em seu famoso restaurante italiano. Acontece que sua tia reside em uma vila na Toscana e está sob ameaça de ser despejada por uma grande e poderosa corporação que possui títulos de propriedade da terra.

A própria tia também tem um conjunto de escrituras da terra. Com a consciência e a intriga movidas, Catherine e Liam assumem o caso, por assim dizer, e começam a cavar no passado da tia com a ajuda de um manuscrito encadernado, sua única pista.

A história em que eles embarcam os leva de volta à Alemanha de 1918, quando a tia nasceu com o nome de Ava Baumgarten, e continua até a Segunda Guerra Mundial (um assunto que ele também tratou em seu livro anterior que analisamos) e até os dias atuais, detalhando uma vida atolada em tragédia e esperança em medidas iguais… e talvez uma com uma história ainda a ser contada.

Para começar, este romance basicamente tem duas histórias interconectadas, uma ambientada na década de 1930, relacionada a nós através do manuscrito de Ada, e a segunda nos dias modernos, enquanto Catherine e Liam tentam desvendar a teia de mistério que cerca os atos de a vila. Na minha opinião, a primeira história que se passa no passado recebe muito mais foco do que a moderna, o que foi um pouco surpreendente, considerando que forçou Catherine e Liam a ficar em segundo plano, ao contrário dos romances anteriores.

Embora eu definitivamente adoraria ver uma participação maior deles em A Garota de Berlim , em vez de passar a maior parte do tempo sendo veículos para contar a vida de Ada, acho que foi uma decisão interessante de tomar, que também rendeu alguns bons resultados. Ou seja, fazemos uma jornada extremamente bem pesquisada pela história italiana, completa com alguns dos eventos mais marcantes do século, como o Holocausto .

Realmente mostra como Balson afundou em incontáveis ​​horas para folhear as páginas de livros e documentos históricos com o propósito singular de retratar esses eventos de uma maneira mais crível. A quantidade de pequenos e curiosos detalhes que ele inclui em suas descrições as eleva muito acima do nível médio, pois assumem a peculiar qualidade de poder arrastar o leitor para dentro da história.

A melhor maneira de explicar isso é: quando alguns autores descrevem coisas, você as imagina… quando Balson descreve coisas, você as vivencia. Esse ponto significativamente forte da história ajuda a manter nosso interesse mesmo durante os momentos mais lentos de A Garota de Berlim , e tendo passado por isso, mal consigo me lembrar de momentos chatos.

Enquanto uma grande parte da história gira em torno da vida inesperadamente violenta e agitada de Ada Baumgarten, Catherine e seu marido ainda têm seu próprio objetivo a cumprir. Embora mostre que Balson dedicou menos tempo e esforço para elaborar a intriga em torno das escrituras da vila e da poderosa corporação tentando assumir o controle, descobri que esse aspecto da trama ainda mantinha um pouco de seu charme.

Há um pouco de mistério no ar, pois ficamos imaginando como exatamente dois conjuntos de ações foram produzidos para a mesma vila e quem no final vencerá a luta entre a tia e a corporação. Todo o tom da história faz parecer que uma má resolução é tão provável, porque, afinal, este é o mundo real onde coisas realmente ruins acontecem, e muitas vezes ninguém é obrigado a responder por elas.

Um elemento que acredito ter ajudado a impulsionar a história principal foram os vários personagens envolvidos. Apesar de já estarmos familiarizados com Liam e Catherine, este quinto livro da série nos dá mais uma vez uma visão um pouco mais sobre o tipo de pessoa que eles são e o que eles realmente valorizam na vida.

Podemos não aprender nada de extraordinário sobre eles, mas a cada passeio, seu retrato humano está cada vez mais perto de ser concluído. Achei os vilões da história particularmente bem escritos, seja discutindo o Holocausto ou a corporação. Balson sabe como atrair a ira do leitor para outros seres humanos sem nunca ir além do limite em um território inacreditável. Se alguma coisa, temos a sensação de que ele baseou suas representações em pessoas reais.

Para concluir, The Girl from Berlin de Ronald H. Balson é um trabalho profundamente comovente e fortemente envolvente de investigação/mistério histórico contado através de duas histórias fascinantes. Se esse é o tipo de gênero pelo qual você se sente atraído, posso dizer com segurança que você terá um dia de campo com esse romance, e isso independentemente de você ser novo na série ou não.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo