Hotel Magnifique – Emily J. Taylor – Resenha

Compartilhe:

Durante toda a sua vida, Jani sonhou com Elsewhere. Mal conseguindo sobreviver com seu trabalho em um curtume, ela se resignou a uma vida sombria na cidade portuária de Durc, cuidando de sua irmã mais nova Zosa. Isto é, até o Hotel Magnifique chegar à cidade.

Minha primeira impressão depois de ler sinopses e sinopses foi que Hotel Magnifique era essencialmente The Night Circus , mas faça ✨hotel✨. E para o primeiro terço mais ou menos foi exatamente isso. Duas irmãs, Jani e Zosa, estão tentando escapar de suas vidas difíceis na cidade de Durc, e finalmente têm a oportunidade quando o famoso e mágico Hotel Magnifique faz uma aparição. Cada um deles aceita empregos no hotel, o que é tão bizarro quanto encantador, e mal posso acreditar que eles possam ter tanta sorte.

Eu li O Circo Noturnoanos atrás e enquanto eu gostava eu ​​não estava super interessado em ler um re-hash dele. Como resultado, o início desta história foi meio chato para mim. Eventualmente, porém, o livro tomou um rumo mais sombrio, com tudo o que brilhava antes de começar a parecer um pouco mais nefasto sob uma luz diferente. Nos dois terços seguintes do romance, o autor aproveitou para arrancar os painéis brilhantes da história para revelar a podridão escondida embaixo. E no começo eu realmente amei isso também, mas depois de um tempo até isso começou a ter uma qualidade repetitiva.

Não quero entrar muito em detalhes do que aconteceu, mas na maior parte seguimos Jani e suas tentativas de descobrir segredos do hotel e seus funcionários. Eu gostei de muitas partes da história, mas algumas de como ela foi encaixada não fez um todo completo para mim. A magia se tornou vaga e não havia muitas explicações sobre como tudo funcionava – parecia um monte de ~mágica~ acenando com as mãos em vez de um sistema tangível. A história não era tão deslumbrante ou sonhadora como eu acho que gostaria que fosse.

Eu meio que gostaria de ter mais a dizer sobre minha experiência com o Hotel Magnifique. O final terminou um pouco rápido, considerando o tempo que levamos para chegar às partes interessantes no começo. Mas fora isso, não tenho mais nada! Não deixou tanta impressão quanto eu esperava, especialmente porque havia muito material bom para trabalhar. Mas para uma fantasia que está um pouco fora dos roteiros mais conhecidos, ela cumpre seu papel.

O hotel é lendário não apenas por seus encantos caprichosos, mas também por sua capacidade de viajar – aparecendo em um destino diferente todas as manhãs. Enquanto Jani e Zosa não podem arcar com os custos exorbitantes da estadia de um hóspede, elas podem entrevistar para se juntar à equipe e logo são levadas para a maior aventura de suas vidas. Mas uma vez lá dentro, Jani rapidamente descobre que seus contratos são inquebráveis ​​e que, sob o maravilhoso glamour, o hotel esconde segredos perigosos.

Este foi exatamente o tipo de diversão mágica que eu quero da fantasia YA, embora com um lado sombrio. “Like Caraval” é usado demais, mas neste caso acho que se encaixa genuinamente nas vibrações do livro.

Hotel Magnifique é sobre um misterioso hotel mágico que aparece por apenas um dia a cada 10 anos, e as duas irmãs que são arrastadas para seus corredores enganosamente bonitos. O que uma garota fará para salvar sua irmãzinha? Praticamente qualquer coisa, mesmo que isso signifique descobrir segredos perigosos e confrontar magos sedentos de poder…

Eu tive um tempo fabuloso lendo isso. Eu precisava de algo que me varreria e isso fez exatamente isso. Eu voei pela história e amei toda a magia caprichosa, as voltas e reviravoltas sombrias, o romance e o amadurecimento de uma jovem determinada. Há uma parte no final em que recebemos um monte de revelações lançadas em uma espécie de despejo de informações de um personagem. Essa parte parecia desajeitada e indicativa de ser um romance de estreia de uma maneira que outras partes do livro não. Dito isto, eu tive um tempo bom o suficiente com o resto do livro que não prejudicou significativamente o prazer geral.

Observe que, embora eu nunca tenha achado este um livro pesado, ele acaba tendo elementos mais sombrios, portanto, verifique os avisos de conteúdo se precisar deles. No geral, porém, eu era um fã! Recebi uma cópia deste livro para revisão da editora, todas as opiniões são minhas.

Com o irritantemente bonito porteiro Bel como seu único aliado, Jani embarca em uma missão para desvendar o mistério da magia no coração do hotel e libertar Zosa – e os outros funcionários – da crueldade do implacável maître d’hôtel. Para ter sucesso, ela terá que arriscar tudo o que ama, mas o fracasso significaria um destino muito pior do que nunca voltar para casa.

Compartilhe:

Deixe um comentário



© 2024 Intrometendo | Web Stories | Privacidade | Google News | APP (Android)) |