Games

The Last of Us: Parte 2 (PlayStation 4) – Análise

Compartilhe:

The Last of Us: Parte 2 é um jogo eletrônico de ação-aventura desenvolvido pela Naughty Dog e publicado pela Sony Interactive Entertainment. É o segundo jogo da franquia e foi lançado em 19 de junho de 2020 exclusivamente para PlayStation 4. Ambientado cinco anos após os eventos de The Last of Us (2013), o jogador assume o papel de duas protagonistas em um Estados Unidos pós-apocalíptico: Ellie, que busca por vingança após um evento traumático, e Abby, uma soldada que se envolve em um conflito entre uma milícia e um culto. O jogo contém elementos de survival horror e é jogado numa perspectiva de terceira pessoa. Os jogadores podem usar armas de fogo, arcos, armas improvisadas, esquiva e furtividade para se defenderem de seres humanos hostis e criaturas infectadas por uma mutação do fungo Cordyceps.

Cinco anos após os eventos de The Last of Us, Joel (Troy Baker) e Ellie (Ashley Johnson) estão morando no assentamento de Tommy (Jeffrey Pierce) em Jackson, Wyoming. Durante esse tempo, Ellie fez amizade com Dina (Shannon Woodward) e Jesse (Stephen Chang), e entrou em um relacionamento com Dina depois que o casal terminou. No inverno, quando Joel e Tommy desaparecem enquanto observam o movimento de infectados próximos, Ellie e Dina vão investigar. Joel e Tommy encontram Abby (Laura Bailey) e o grupo foge de uma grande horda. Abby se revela como líder de um pequeno grupo dentro da Frente de Libertação de Washington (WLF) e filha de um dos cirurgiões dos Vaga-Lumes que Joel matou enquanto salvava Ellie. Abby bate em Joel até a morte com um taco de golfe quando Ellie o encontra. Embora afetada pelo incidente, Ellie jura por vingança.

 

Na primavera, Tommy, frustrado por Jackson não ter recursos para combater a WLF (Pois para ir atras da WLF precisava deslocar vários grupos de Jackson Wyoming, e isso deixaria todas as famílias que vivem na cidade vulnerável a ameaças fora dos muros), persegue-os até sua base em Seattle por conta própria. Com a autorização da esposa de Tommy, Maria (Ashley Scott), Ellie e Dina vão atrás de Tommy, que já matou vários membros da WLF. Ao evitar patrulhas da WLF em Seattle, a dupla é atacada por um grande grupo de infectados e, ao escapar, Ellie revela sua imunidade a Dina, que por sua vez revela que está grávida. No dia seguinte, com Dina fisicamente enfraquecida pela gravidez, Ellie persegue Tommy sozinha e encontra Jesse, que os havia seguido até Seattle, mas foi ferido, deixando Ellie a continuar sua jornada sozinha. Enquanto procurava por um membro do grupo de Abby chamado Nora (Chelsea Tavares), ela encontra os Serafitas/Cicatrizes, um grupo de fanáticos religiosos que estão lutando contra a WLF pelo controle de Seattle. Eventualmente, Ellie localiza Nora e bate nela para obter informações sobre a localização de Abby. Como Nora sucumbe aos seus ferimentos, Ellie descobre que ela é uma ex-Vaga-Lume, fazendo-a lembrar que, a dois anos atrás, ela investigou o hospital que Joel a resgatou e descobriu que ele mentiu sobre os Vaga-Lumes serem incapazes de encontrar uma cura.

No dia seguinte, Ellie sai para rastrear Abby enquanto Jesse vai atrás de Tommy, ao saber que a WLF potencialmente encontrou sua localização. Ellie se depara com mais dois membros do grupo de Abby, Owen (Patrick Fugit) e Mel (Ashly Burch), que ela é forçada a matar, apenas para descobrir que Mel estava grávida, para seu horror. Depois de Ellie se encontrar com Dina, Jesse e Tommy, o grupo decide voltar para Jackson, mas são emboscados por Abby, que mata Jesse e mantém Tommy como refém, enquanto explica sua motivação para matar Joel. Ela então narra suas ações nos últimos três dias, provocando um flashback.

Ao saber que Owen havia desaparecido enquanto investigava a atividade dos Serafitas, Abby confrontou o líder da WLF, Isaac (Jeffrey Wright), por manter o assunto em segredo, que revelou algumas informações que ele indicava que Owen poderia ter se juntado aos Serafitas e explicou seu plano de assaltar o assentamento da ilha dos Serafitas para acabar com eles completamente. Abby então foi procurar Owen e, ao ser capturada, foi resgatada por Yara (Victoria Grace) e seu irmão Lev (Ian Alexander), ambos Serafitas desonestos. Ela acabou encontrando Owen que, desiludido com a guerra sem sentido entre a WLF e os Serafitas, estava tentando navegar para Santa Bárbara, onde os Vaga-Lumes estavam supostamente se reagrupando. Depois, com o braço de Yara quebrado, Abby a levou a Owen e Mel para atendimento médico e recuperou suprimentos médicos do hospital WLF ao lado de Lev, onde encontraram Nora, que os ajudou, e Lev revelou que ele estava fugindo dos Serafitas por ter raspando a cabeça, contra as regras do culto. Depois que o braço de Yara foi amputado, Lev fugiu para ver sua mãe, forçando Abby e Yara a persegui-lo. No caminho, eles encontraram o amigo de Abby, Manny (Alejandro Edda), que mais tarde foi morto por Tommy. A dupla finalmente encontrou Lev, que foi forçado a matar sua mãe quando ela o atacou, apenas para ser forçado a fugir quando o ataque dos WLF aos Serafitas começou. Yara se sacrificou para permitir que Abby e Lev escapassem, matando Isaac no processo.

De volta ao presente, Abby atira em Tommy e luta com Ellie e Dina, dominando-as, embora ela as poupe ao saber que a última está grávida e as avisa para deixar Seattle. Vários meses depois, Ellie e Dina estão morando em sua própria fazenda, cuidando do filho desta última, apesar de Ellie ainda sofrer de transtorno de estresse pós-traumático da morte de Joel. Quando Tommy chega com informações sobre o paradeiro de Abby em Santa Bárbara, Ellie, incapaz de deixar seu passado para trás, sai para confrontá-la. Enquanto isso, Abby e Lev chegam a Santa Bárbara procurando os Vaga-Lumes e conseguem contatá-los. Os dois são instruídos a seguir para a Ilha Catalina, antes de serem capturados pelos Rattlers, uma gangue de bandidos. Quando Ellie chega, ela mata os Rattlers e resgata o casal, antes de lutar contra Abby. Ellie não consegue matar Abby e permite que ela e Lev saiam. Voltando à fazenda, Ellie a encontra vazia, e percebe que Dina foi embora com seu bebê, deixando apenas os pertences da Ellie, dentre eles o violão de Joel, o qual Ellie fica incapaz de tocar por conta dos dedos perdidos na luta com Abby. Recordando uma memória recente em que prometeu tentar perdoar Joel, Ellie deixa o violão dele na fazenda e segue para um futuro incerto.

The Last of Us é um dos raros jogos amados da última década que não só não exigia uma sequência, mas ativamente parecia resistir à ideia de uma. Sua história é em grande parte comovente por ser autocontida: não saber o que aconteceu entre Joel e Ellie após sua fatídica decisão final queimou uma marca no cérebro de muitos que a jogaram, e essa questão em aberto perdurou por anos . Mas com The Last of Us Parte 2, a desenvolvedora Naughty Dog enfrenta esse desafio não apenas com uma história complexa e profunda que lhe dá uma razão de existir, mas também com evoluções profundas e satisfatórias para a jogabilidade de ação / furtividade em terceira pessoa original.

Não posso falar muito sobre alguns dos melhores aspectos da Parte 2, mas não porque eu não queira – estou morrendo de vontade de falar com qualquer pessoa sobre todos os momentos comoventes, edificantes e de partir o coração que têm acontecido em minha mente há dias desde que venci esta aventura pela primeira vez. Mas fazer isso retiraria camadas do ato de jogar a Parte 2 por conta própria, então falarei sobre sua história em termos gerais.

Uma das maiores conquistas da Parte 2 é como ela lida com as expectativas ponderadas que uma sequência de uma das histórias de jogo mais anunciadas de todos os tempos inevitavelmente carregará com os fãs. Começa aparentemente simples, acontecendo cerca de quatro anos após o final do original e levando uma Ellie mais velha, mais raivosa, mas ainda imune, em uma busca por vingança que também se concentra nos ciclos de violência que podem atormentar a humanidade tanto quanto qualquer infecção. Ele conscientemente se inclina para os tropos do gênero, como a culpa por associação e a escalada inevitável de combinar olho por olho e dente por dente. Mas esses clichês são freqüentemente subvertidos, jogando no caminho expansivo e não tão direto à frente.

A partir daí, a jornada de Ellie se transforma em algo muito mais ambicioso. Parte 2 habilmente lida com uma guerra nas ruas de Seattle pós-apocalipse zumbi, um novo elenco de personagens expansivo e algumas recompensas de soco no estômago para as emoções persistentes O final poderoso de The Last of Us me deixou agitado pelos últimos sete anos . A história de The Last of Us Parte 2 é tratada com tanta maestria quanto no original.

Uma das maneiras mais impactantes pela qual a Parte 2 volta a ouvir The Last of Us é como ela pede que você se identifique e tenha empatia com seus personagens, mesmo quando quase com certeza nem sempre concorda com suas ações. Em um meio geralmente definido por nos dar o poder de escolher o que acontece, The Last of Us e a Parte 2 se preocupam mais com personagens plenamente realizados, nos pedindo para tomá-los como são. Os personagens da Naughty Dog são indeléveis, o que proporciona momentos incrivelmente poderosos e desafiadores quando você é colocada no lugar de Ellie e é solicitada a representar seus caprichos você mesma.

A Parte 2 é salpicada de momentos brutais, trágicos e comoventes que afetam mais fortemente porque você participa deles, goste ou não. Mesmo se eu discordasse de uma ação, não tinha escolha. Fui solicitado a executar essas ações ou vê-las acontecer sem chance de interceder e para entender o raciocínio por trás delas a partir de sua perspectiva. Essa dança entre interatividade e uma história inalterável gerou uma experiência muito mais comovente do que se eu tivesse visto tudo se desenrolar em um filme.

No centro de tudo está Ellie e seus relacionamentos. Ellie teve tempo para se encontrar no assentamento de Jackson, Wyoming, que ela e sua figura paterna imperfeita, Joel, chamam de lar, e para refletir sobre os momentos de formação de sua infância. Descobrir o que ela sabe e onde está com Joel e seu irmão Tommy é, em diferentes momentos, doloroso, divertido e catártico, mas sempre de maneiras que são verdadeiras para o que eu sabia sobre esses personagens.

Os atores Troy Baker e Ashley Johnson mais uma vez trazem muito coração e honestidade em suas performances como Joel e Ellie, respectivamente. Ellie é, sem dúvida, a protagonista da Parte 2, e Johnson traz nuances a cada faceta do personagem de Ellie. Vê-la crescer e lutar com seu passado enquanto ainda aprende quem ela é aos 19 anos (com todos os desejos e deficiências usuais que os de 19 anos geralmente possuem) é fascinante a cada passo. Ela oferece alguns dos momentos mais humanos que a Parte 2 oferece.

Baker não é menos fantástico como Joel, embora Ellie esteja no papel jogável mais proeminente. Independentemente do que você possa sentir sobre as decisões de Joel no original, Baker vende o cansaço de um homem que tirou muitas vidas para salvar a sua e tomou decisões morais questionáveis ​​por amor. Vê-lo fazer contas com uma filha substituta que cuida dele e ainda o mantém à distância é devastador de assistir. Pegando uma sugestão da expansão prequela de 2014, The Last of Us: Left Behind, Part 2 me permitiu viver em momentos entre Joel e Ellie, o que ofereceu uma reflexão silenciosa de por que eles veem o mundo que veem.

A Parte 2 também apresenta um grande elenco de personagens secundários. Shannon Woodward é instantaneamente charmosa como Dina, trazendo alegria e bondade a um mundo onde, de outra forma, seria tão difícil de encontrar. Woodward brilha nos momentos menores – uma brincadeira com Ellie aqui ou uma parte divertida sobre sua casa em Jackson, ali – oferecendo tanta dimensão ao personagem. Também é importante destacar, em termos sem spoiler, a incrível atuação de Laura Bailey (conhecida por seus papéis como Mary Jane do Homem-Aranha da Marvel e Kait Diaz do Gears 5, entre vários outros) como um novo personagem. Como tantos personagens de The Last of Us, chamá-la de boa ou má seria redutor – nós a vemos em seu melhor e mais identificável, bem como em seu pior.

É preciso mão hábil para escrever personagens como este; aqueles para quem eu queria o melhor, mesmo que estivessem fazendo coisas desprezíveis. Algumas das escolhas que os personagens fizeram na Parte 2 me encantaram, outras me frustraram, mas sempre quis que eles fossem melhores e mais fortes e vissem a bondade em si mesmos. Nesse aspecto, eles se sentiam incrivelmente humanos.

Esses conflitos se desenrolam com algumas sequências muito conhecidas de furtividade, ação e quebra-cabeças. Dito isso, uma das maiores críticas do primeiro jogo é que seus segmentos de combate e quebra-cabeça não eram profundos o suficiente para evitar a repetição ao longo de 15 horas, e a Parte 2 tomou medidas importantes para remediar isso e adicionar variedade à jogabilidade – alguns dos que parecem óbvios em retrospectiva. Por exemplo, é bobo pensar que adicionar um botão de pular em 2020 pode parecer tão novo, mas definitivamente prova ser a chave para muitos encontros de combate cativantes da Parte 2. Ellie é muito mais ágil do que Joel, capaz de pular, balançar e escalar por cima e por baixo de coisas para evitar ou perseguir inimigos com mais cuidado. Isso não apenas fez minhas opções parecerem exponencialmente mais variadas, mas também permitiu que o level design em torno desses encontros fosse mais aberto e diverso a cada passo.

De cavernas subterrâneas a escritórios e prédios de apartamentos dilapidados até as ruas exuberantes e cobertas de mato de uma Seattle recuperada pela natureza, o combate furtivo da Parte 2 é fácil de entender, mas sempre emocionante de tentar e dominar a cada nova luta. Parte disso vem do escopo de seus campos de batalha: eles acontecem em áreas como shoppings de várias camadas ou arranha-céus fragmentados que oferecem o que parecem ser caixas de quebra-cabeça naturalmente complexas. Sempre havia espaço de sobra, tanto literal quanto mecanicamente, para esgueirar-se e abater os inimigos um por um, ir com armas em punho ou (como geralmente acontecia comigo) planejar para ser furtivo, mas ser pego e lutar para escapar por pouco do perigo.

A habilidade de Ellie de pular, ficar de bruços, esquivar e até mesmo fugir do combate não só tira vantagem desses grandes espaços, mas também permite aquela improvisação dentro deles, empurrando você a se adaptar a qualquer situação ou encontrar uma morte rápida. Os inimigos não se limitam a estabelecer padrões; eles são reativos ao ambiente ao seu redor.

Melhor ainda é que nunca precisei navegar por essas áreas agarrando uma paleta flutuante para servir de balsa para quem não sabia nadar, como o original tantas vezes nos pedia para fazer. Os quebra-cabeças ambientais da Parte 2 nunca parecem tão estúpidos – eles têm muito mais desafios contextuais que fazem uso inteligente da jornada de Ellie por arranha-céus, bairros residenciais, esgotos, planícies e muito mais. Desde descobrir como inclinar uma corda para balançar de um escritório para outro quarto trancado até navegar por uma série perigosa de tripwires usando a nova mobilidade de Ellie para muitas outras tarefas diárias que assumem uma nova tensão em um cenário pós-apocalipse, a Parte 2 é muito melhor uso de seu ambiente para oferecer quebra-cabeças e rotas de plataforma únicas e consistentemente envolventes.

The Last of Us Part 2 é uma obra-prima digna de seu antecessor. Dando passos adiante em quase todos os sentidos, Ellie chega ao centro das atenções e carrega a sequência de uma maneira que parece a culminação de tudo o que tornou a narrativa blockbuster da Naughty Dog tão memorável desde o original Uncharted para PlayStation 3. Ele oferece uma em camadas, emocionalmente estilhaçante história no topo de ação furtiva e jogabilidade que melhora a mecânica do primeiro jogo enquanto integra um pouco mais da maior mobilidade e ação de Uncharted. Mas embora a Parte 2 seja uma aventura emocionante, ainda dá tempo para uma exploração impressionante e cheia de nuances da força e fragilidade do espírito humano. O PlayStation 4 tem um de seus melhores exclusivos em um dos melhores jogos da geração.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo